13 outubro 2005

Teorias da Thata, agora também no Diafragma

Eu falo. Falo mesmo, mas gosto mais de fazer. Como as pessoas adoram colocar rótulos, todo mundo se choca quando eu falo. Fazer o que? Sinto o sangue pintar meu rosto de vermelho, mas, ainda assim, falo. Se me der 3 copos de cerveja então, aí eu falo tudo. Mas, olha, eu também não sou nenhuma especialista. E não vou falar nada sobre sécho aqui não porque meu pai lê meus blogs e convém que ele acredite no que for mais confortável pra ele...é cardíaco meu pai. Então no caso vamos falar de amãaar. Tenho algumas teorias sobre este assunto (tenho teorias sobre quase todos os assuntos, você sabe)

1- Você só está aqui por causa do amor. Pra você ser concebido, provávelmente duas pessoas se amaram, ainda que pelo curto intervalo de 15 minutos. Ah, não? Sua mãe foi estuprada? Então você está aqui porque ela te amou o suficiente pra não optar por um aborto. Você está aqui lendo esta mal traçada teoria porque alguém teve amor o suficiente pra te alimentar quando você dependia dos outros pra isso. E depois, quando você já não dependia do amor de ninguém, só continuou vivo por amor próprio. É isso: aonde há vida, há amor. E quanto mais amor, mais vida.

2- Uma parte do que a gente acredita sobre o amor entre homens e mulheres é uma grande inevenção. Aquela história de viveram felizes para sempre e final de novela com as pessoas casando e se multiplicando. Tudo culpa do romantismo. Na real, vocês pessoas espertas que lêem o Diafragma já devem ter percebido que não é nada disso. Uma hora a paixão acaba, a rotina toma conta e o caso só sobrevive se houver amor mesmo. Daí eu vejo um monte de gente se queixando que "aah, não é mais como era no começo.", "aaah, virou amizade." e puf, lá vão as pessoas terminar o rolo/namoro/casamento. E lá vão as pessoas perder a chance de ter ao seu lado um amor/amigo, de descobrir que às vezes dormir de conchinha é a melhor coisa, de construir uma história bonita e descobrir o prazer de se apaixonar muitas vezes pela mesma pessoa. Amor é insistência.

3- Essa quem me ensinou foi uma senhorinha, uma avó adotiva muito querida: amar é muito fácil, basta aceitar os defeitos dos outros.

É, acho que sobre amãaar, é isso que eu tenho a dizer. Não há nada melhor no mundo.

8 Comments:

Blogger Léli said...

Vou comentar aqui mas é sobre o post da Ana e da Thata.

Sobre o da Ana, não tenho a menor dúvida de que ali, naquela relação tem muito amor. Com certeza e eu assino embaixo, do lado, em 3 vias etc.

Sobre o da Thata nenhuma teoria estaria tão certa. Com certeza o amor é aceitar os defeitos do outro. Eu tenho uma amiga que ri muito porque eu comparo o amor por outra pessoa, qualquer que seja, como um pacote de biscoitos sortidos. Sim, biscoitos sortidos, tem as rosquinhas com merengue - que a maioria adora, tem as rosquinhas de coco, tem os biscoitos de erva doce e tem aquelas bolachinhas comuns que nem todo mundo gosta, mas não dá para pegar o pacote e dizer para o cara no caixa: olha'í eu quero só as rosquinhas de coco e as de merengue! Não dá! O amor é assim quando a gente se apaixona por alguém vem todos os biscoitos os bons, que a gente adora e aqueles que tu queria deixar no caixa. Só que a história é aquela é tudo ou nada. Além disso eu também tenho outra teoria. É o seguinte se a gente tá loucamente apaixonada e ainda assim vê os defeitos e quer mudar o outro é porque é só paixão, quando é amor a gente até vê os defeitos, mas faz que não vê para de noite poder dormir de conchinha.

12:10 PM  
Blogger mi-re-lla said...

thata...
o amor é mesmo muito complicado de tão simples.
concordo em gênero, número e grau quando você disse aquela coisa de ficar na nóia de "não é mais como era antes"...
acho que o que difere as mulheres das adolescentes na puberdade é justamente isso, de você perceber que o amor não precisa de grandes manifestações e que paixão acaba mesmo... que tem hora que você olha o seu amor, acha o cara o maior bobão do mundo, mas mesmo assim não imagina como poderia viver longe dele...
e isso não é lindo?
você perceber que mesmo com todos os defeitos do mundo ele continua sendo a pessoa que você quer ao seu lado para o resto da vida???
ah, o amor...

4:16 PM  
Blogger kellen said...

"Amor é resistência". Também acho, adorei e estou super afim de me apaixonar, amar e resistir! Muito legal, Thata!

9:59 PM  
Anonymous marília said...

eh tha. tuas teorias sao foda msm. hehehe. concordo absurdamente com o q vc falou. eu soh acho q hj em dia, na verdade, o q as pessoas chamam de amor, eh paixao, carinho, amizade, fogo de palha, qq coisa, menos amor. e ele ficou todo banalizado coitado. amor mesmo, de verdade, eh raro. tem q ter muuuuita vontade, eh tentar todo dia, cuidar todo dia, e mudar todo dia tb, e um junto do outro. estou pensando numa teoria q as pessoas tendem a achar q paixao eh amor e carencia eh saudade... e por isso essa coisa toda "sexo-amor-traiçao" de hj.
ah, mas apesar de atualmente estar assim meio descrente dessas coisas, eu acredito no amor sim heheehehe. amo meus pais, minha irma, meus amigos, e amo ateh meu cachorro. qto aos moços da minha vida, ah, esses eu nao sei dizer. me dei demais e esqueci do amor proprio. e sem esse nao dah. (literalmente hehehehe).
ah, desculpem o tamanho do comentario, mas me empolguei demais. estou num momento sentimental ressentido. hehehe.

10:38 PM  
Blogger Samara L. said...

Olha, flor, com tua primeira teoria concordo plenamente e acho que é uma das coisas mais bonitas sobre amor que eu já li ultimamente.
Agora, com a segunda, não. Amor não é persistência. Persistência é para casamento, quando o amor já se foi - estilo "vamos salvar a relação". Quando existe amor,descarece, porque mesmo que a paixão já tenha se ido há tempos, você não concebe a vida longe daquela pessoa e pronto. Acredito nisso de todo o meu coração.
E concordo com sua vó no que diz respeito ao amor universal. No amor entre um homem e uma mulher carece algo mais, que tem a ver com sexo mas não é só, que faz a gente escolher aquele entre todos os outros e não tem explicação. Senão seríamos todos eternos esposos de nossos melhores amigos, não acha?

4:53 PM  
Blogger Thata said...

Sada, eu sou esposa do meu melhor amigo ;)

8:15 AM  
Blogger Samara L. said...

Mas ele não é SÓ seu melhor amigo. É?

10:41 AM  
Blogger Thata said...

nops...muito mais, né? Tem que ter um algo mais mesmo, que eu me arrisco a dizer que é desejo...mas realmente, não é só...oq será?

1:20 PM  

Postar um comentário

<< Home