19 outubro 2005

Violência é coisa de homem?

Meu Deus-do-céu! Eu assisti a entrevista de uma promotora que falava sobre os crimes passionais. Ela falou algo que me ficou marcado: “os crimes passionais são cometidos mais por homens”. Ela tem um livro que chama-se A Paixão no banco dos réus.
Com toda essa violência entre torcidas organizadas estou começando a achar que violência é do instinto masculino. Eu preferia estar errada, na verdade gostaria que a violência não fosse do instinto de ninguém, que a paz e o amor é que fossem contagiosos.
Estou realmente assustada com toda essa Tsunami que toma conta das ruas e dos estádios. Noutro dia fiquei pasma com a invasão de um estádio onde a seleção brasileira estava treinando. Uma menina ficou sem a cadeira de rodas. O pior é que o treino era beneficente, a entrada era um quilo de alimento não perecível, mas parece que era de graça, que as pessoas não conseguiriam entrar. Soma-se a todo esse desespero para entrar no estádio a desorganização dos responsáveis pelo local.
Mas afinal que desespero é esse? Que ânsia? Pra que tanta violência?
Estou preocupada e fico pensando que não basta um estatuto do desarmamento, é necessária uma revisão do código penal. Na revisão deve-se levar em conta que não adianta dar 200 anos de prisão para um vivente, até porque sabemos que cumprido um terço da pena ele poderá sair e que saindo não sairá recuperado, apenas mais aperfeiçoado na arte do crime, já que nossas instituições penais são o caos. Some-se a isso uma revisão em muitas outras coisas tais como os investimentos em educação, saúde, saneamento básico, segurança e mais uma pá de coisas que acabam afetando a vida destes viventes que optam pelo crime e que acham que o melhor lugar para extravasar suas frustrações é contra o torcedor do time rival.
O Raulzito diz em uma de suas canções que a guerra é um produto da paz. Bem, estamos vivendo numa guerra, tá na hora de pararmos para produzir um pouco de paz, do contrário passaremos a viver mesmo é numa terra de ninguém sem paz, sem amor, sem vida, sem gente.

6 Comments:

Blogger Samara L. said...

Não creio que a violência e a crueldade sejam do instinto masculino não, Léli. Mulheres também sabem muito bem suas lições de crueldade e violência quando tem condições para tal - gostaria de crer que somos todas doces, maternais e protetoras, mas tenho uma irmã e um cunhado policias, não posso dizer uma bobagem dessas. É um exagero, um aumento demasiado no botão de volume do instinto de defesa.
O que acontece é que as mulheres são mais frágeis fisicamente e por isso a violência fica "facilitada" para os homens, só isso. Alguns deles se utilizam da força e da resistência que a natureza lhes concedeu para isso. Mas conheço muitos, muitos mesmo, que são absolutamente incapazes de utilizar essa capacidade física para algo que não seja produzir, proteger e sustentar - ou melhor, incapazes não são, eles se recusam por opção mesmo.
Concordo contigo que a sociedade precisa mudar a maneira de lidar com isso. Logo.
Mas ainda acredito que o principal problema está na educação, lá na infância. Não estou falando de escolas, não, mas da educação dada em casa - valores, limites, um sistema de crenças.
A força física (assim como uma arma, diga-se de passagem, aproveitando a época) é um poder. E acredito que a única coisa que te impede de submeter o outro pelo teu poder é um sistema de crenças e valores bem sólido - o que é algo com o qual um número cada vez menores de seres humanos pode contar.

10:43 PM  
Blogger Thata said...

Poisé, Léli, concordo com a Sada. Enquanto os homens têm sua violência voltada para a agressão física, as mulheres são mais verbais e são capazes de estragos tremendos sem levantar um dedo. Violência é inerente ao ser humano, mas pode ser contida sim com valores sólidos e muita educação. (aliás, será que tem algo a ver com a violência nos estádios o fato de os homens estudarem por menos anos que as mulheres?)

7:32 AM  
Blogger Lys said...

Léli, há estudos que ligam a violência não a um instinto masculino, mas sim a hormônios masculinos. Não sei há real fundamentação, e acredito que outras variáveis interferem, mas para mim faz muito sentido essa coisa hormonal, faz sim.

9:04 AM  
Blogger Léli said...

Oi gurias, eu não tenho uma idéia fechada a esse respeito, mas estou que nem a Regina Duarte, com medo, com muito medo.
Eu sei que existem homens que não optam pela violência, assim como existem mulheres que optam por dizer coisas que agridem de forma muito mais nociva do que um soco.
Eu perguntei mesmo foi para: 1) desabafar; 2)questionar esses valores; 3) nos fazer pensar.
Valeu as opiniões e esclarecimentos. Eu gostaria de poder ajudar mais, dando um norte, sei lá, mas acho que controlar e conter a minha violência já será um meio caminho andando.
Beijos

10:48 AM  
Blogger Carecone said...

1° sou NÃO no referendo, não por ser violento, ou gostar de armas - NÃO gosto - mas por não acreditar na forma como está sendo feito.
2º acho sim que os homens são mais violentos, por motivos hormonais, mas também por não saberem lidar aequadamente com suas emoções - frustração, tristeza, essas coisas que dizem ser de "mulherzinha" - diferentemente das mulheres.
3º violência em estádio tem de ser punida com severidade, foi assim conseguiram controlar, mais ou menos diga-se de passagem, os hooligans e os cifosi italianos.
Começa aí o problema, num país em que a lei condena com severidade mas pune com brandura, não dá certo. O cidadão vê um assassino ser condenado a 200 anos e cumprir 30 que é o máximo, sendo que saí, como foi dito, com 1/3. O cidadão acaba com a sensação de desproteção.
Eu acho é que a generalização é perigosa.
Concordo com quem disse que é uma questão cultural e educacional. Valorizar não um gênero - feminino ou masculino e sim o coletivo, ou seja o ser humano, seja uma criança, um idoso, ou uma pessoa de qualquer outra idade.
Mas acredito que a paz é um produto amor, da educação, do respeito ao outro. Aceitar a opinião, a diferença, essas coisas básicas.
Continue questionando, mas não esqueça de agir!

2:18 PM  
Anonymous carole said...

nem me fala... esses dias tava pensando antes de sair de casa "não vou levar meu cartão porque eu posso ser assaltada". pode ser neura demais, mas q tenho muito medo, tenho.
nao sei se é instinto do homem cometer mais crimes, mas de fato cometem mais q mulheres, seja lá porque. concordo também com a Sada que tudo isso vem da educação da família (limites, valores)
bom, se eu for escrever mais vou desabafar mais do que você nesse comment..quando começo a falar nisso dá uma tristeza...

4:34 PM  

Postar um comentário

<< Home