24 novembro 2005

:( :) (sabe aquelas carinhas do teatro, uma triste e outra feliz? então, era isso.)

Porque eu não sou uma pessoa estável. Na verdade, nenhuma das meninas que escreve aqui é. E mais ainda, nenhuma menina é estável. Porque tem os hormônios, pourra. Então a gente anda pela vida assim, arrebatada por emoções que não sabe nem de onde veio. Acorda triste, almoça feliz, dorme chorando. Acorda rindo, almoça calada, dorme e sonha com coisas boas. Ciclos, ciclos.

Então esses dias eu estava fazendo um balanço da minha vida e pensando (porque eu num tenho muito no que pensar e fico elaborando essas teorias, você sabe)...continuando, tava pensando se a vida é mais um drama ou uma comédia. Assim, bem maniqueísta mesmo. Se você pegar todos os momentos tristes da sua vida e todos os momentos felizes, excluindo aqueles em que você está só ok, nem feliz nem triste. Se você pegar esses momentos e colocar numa balança, vai dar mais o que?

Se alguém lesse o livro da minha vida, ia achar que era o que, drama ou comédia? Ou ia achar só chato e ia deixar de lado? E a vida das pessoas no geral? E o mundo? É uma carinha triste ou uma carinha feliz? O copo está meio cheio, meio vazio ou só meio mesmo?

Olha, eu não sei a vida de vocês, mas a minha está me parecendo uma tragédia tão mal escrita que acaba virando comédia pra quem lê. E, com certeza, a última página é um grande ponto de interrogação. E a vida de vocês, a que gênero pertence? Romance, policial, suspense?

Concluido isso, passo à próxima questão maniqueísta da minha vida: existem mais pessoas boas ou ruins?

(é possível uma pessoa chegar à fase dos "porquês" aos 23 anos?)

8 Comments:

Blogger Carolzinha said...

Com certeza é possível Thatá. Os meus porquês vem desde meus 8 anos. rsssss E hj com 26 ainda tenho muitos porquês na vida...

12:37 PM  
Blogger Léli said...

Siiiiiiiiiiiiiiimmmmmmmmmmmmmmmmmm!!
Porquês não são fases, são permanentes. Até porque nós não temos todas as respostas e quando achamos que estamos perto de tê-las surgem outras "questãs" e depois outras e mais outras. Mas o que eu acho de melhor no "seromano" é a capacidade de querer saber e de nunca perder isso, seja a idade que for, claro há os acomodados, só que estes nascem assim, são assim sempre não perguntam e não questionam nunca.
Thata, eu adoro tuas "tiurias"! Um beijão, estava com saudade

2:56 PM  
Blogger Thata said...

é só um adendo que minha prima comentou no msn e eu achei uma ótima: lá pelos 5 anos a gente tem a fase de perguntar porquês que já têm resposta pronta. Depois, por volta de agora, vem esta outra fase, dos porquês que não têm resposta ou cujas respostas estão só dentro da gente. É isso. Taí uma menina que dá boas respostas, essa minha prima.

3:27 PM  
Anonymous Antonio Guadalupe Júnior said...

O poeta Eduardo Muñoz escreveu o seguinte poema:
[i]Não sei porque minha alma
sempre tenta desvendar
as coisas que só o tempo
pode vir a nos contar...
Será que padece mais
quem escuta o coração,
se vale a pena entregar-se
por inteiro a uma paixão?

Não sei nem se sou poeta
e autor deste poema,
ou se só sirvo de ponte
pra inspiração suprema...
E muito menos se o tempo
me reserva melhor sorte
no dia de responder-me
se há vida após a morte...

Não sei se é justo os homens
julgarem os seus iguais,
nem por que brigam por coisas
que logo não terão mais.
Se o impossível existe
ou o homem por descrença
faz possível, o impossível
ser pra ele uma doença...

Só sei que por mais que ande
não terei todas respostas,
e que ao ler os olhos alheios
mais verdade se mostra,
que os sentimentos da gente
não reconhecem as leis
e também que “não sei nada
sobre o que acho que sei...”[i]
([b]DAS COISAS QUE NÃO SEI[/b]
Letra: Eduardo Muñoz música Rodrigo Maia e Andrigo Xavier)

O creio como certo, por mais que ande jamais terei todas as respostas.E na realidade eu não sei nada do que acho que sei...

5:49 PM  
Blogger Ana Paula said...

nessas horas eu penso em como a infância era uma época sábia. sabíamos as coisas mais imprtantes, o resto que se lascasse.

minha vida é uma comédia italiana de humor negro. ou uma tragédia inglesa muito engraçada. ou um filme brasileiro, cheio de palavrões e muita confusão.

6:38 AM  
Anonymous Pablo said...

A vida é um grande espetáculo!Não é o que dizem? Cada cabeça: uma sentença, um mundo, uma galáxia, um universo (depende da megalomania de cada um)! Então juntemos tudo: o livro da vida é um grande espetáculo de cada mundo particular. Daí temos um problema, os "mundos" interagem, se interferem. O que gera o caos! Do caos, dizem, sempre surge uma nova ordem. Então, todos os dias ressurgimos de dentro do nosso própio caos para viver o espetáculo diário, que, como uma boa tragédia tem comédia, drama, decepção, emoção, romance, suspense, discussões, violência(vixe, esqueçam!, este tema já passou... ou não), risadas, palhaçadas, confusões, trapalhadas... O caos não passa nunca, a não ser que nos isolemos! Nem dá, né?

A vida não tá muito animada por este mondo de cá, mas eu te digo, da tragédia vem a comédia! Quem nunca riu com o Jerry Lewis, Carlitos, Gordo e o Magro... Sempre rimos um dia, claro que alguns momentos são de drama e daí deitamos e choramos. Mas um novo dia sempre vem, compete a nós mesmos resolver como ele será e o que fazer dele (tinha um texto atribuído ao Chaplin que dizia algo parecido). É isso, eu estou muito, muito triste, mas não vou deixar de brindar aos outros do meu convivio, um meu sorriso, pois eles não merecem o contrário, cada mundo tem o seu próprio caos interno e sua própria tragédia com drama, comédia...! Cada vez mais eu tento escrever cada dia(capítulo) da minha vida tentando não deixar os fatores que me fazem sempre rasurar momentos e rasgar páginas em lamento: mau gênio, ansiedade, irritabilidade, acidez. Não sei se consigo, mas morro tentando, pois, enquanto houver sangue quente nas veias e bater forte o coração no peito, não está morto quem tenteia(hehehehe! A Ana e a Léli não vão gostar desta palavra final, mas também não é um caso de pelear, né?)
Nunca devemos esquecer que cada capítulo escrito é menos um dia rumo ao Gran Finale.(e que este nunca se sabe quando chega - argh!)

ps.: acho que escrever aqui me ajudou a resolver um problema, muito obrigado a Thata, depois mando o cheque da sessão... he!

1:28 PM  
Anonymous renata said...

menina, eu cheguei à fase dos porquês aos 27. não se desespere, portanto, rs...

e sobre comédia ou drama, isso me lembrou melinda e melinda, você viu? o bacana é que não há conclusão nenhuma. e a minha vida também não tem nem sinal de estar chegando perto de qualquer definição, rs...

beijos!

8:34 PM  
Anonymous marília said...

eh. acho tb q nunca sai da minha fase dos "por que"s. mudaram os "que"s. e tudo parece q eh mais complicado.... mas entao, depois daquele teste de diretor da cinebiografia e tal (q no meu caso, por algum motivo, deu hitchcock. acho q eh o trabalho finalhehehe),fiquei pensando q tipo de filme seria minha vida... e ai um amigo meu falou q a sofia coppola eh q tinha q dirigir. hehehe. tah ai! achei otima a sugestao. ia ser um filme paradao. beem paradao. provavelmente ia ser bem longo e as pessoas dormiriam vendo. tudo muda dentro o tempo todo e sempre muito intenso, mas por fora tah tdo igual hehehe. e nao sei se seria drama ou comedia. um pouco dos dois. ou os dois juntos... pois geralmente eh soh uma questao de ponto de vista neh.
bjo!!

11:46 AM  

Postar um comentário

<< Home