14 dezembro 2005

Homem? Não, nada disso, no máximo um machinho mal acabado

Não Existe coisa que me irrite mais do que homem metido a garanhão, abusado e insensível. Insensível porque não percebe que a mulé não ta nem aí para o que ele está se insinuando, e é clara, mas ainda assim ele não entende.
Quem me conhece sabe que adoro brincar, tenho o riso frouxo e abraço com a maior facilidade. Agora interpretar meu jeito como um oferecimento das organizações Tabajara, não. MAIS NÃO MESMO!
Daí que estava trabalhando no escritório do meu pai, tranqüilamente numa tarde quente, sozinha porque o pessoal todo tinha saído e chega o garanhão – detalhe, cliente do pai.
Cumprimentei o cara disse que meu pai estava viajando, ele viu, é “óbeveo”, que estava sozinho comigo e começou a ser “engraçado”. Perguntando sobre o porque do meu pai ter viajado, pra onde e dizendo que havia muitas “festinhas” nesta época do ano.
Pelo amor de Deus da onde surgem essas coisas? Sim, coisas. Um amigo meu que conhece a peça já tinha me alertado. Só que eu trabalhei muitos anos no escritório e em outros lugares onde praticamente só havia homens e isso nunca aconteceu. Pelo menos não desta forma. Cheguei a pensar daquela maneira bem machista: _ Pô! To de camisetão e calça jeans, que nem é justíssima!
Na hora me corrigi, eu podia estar “pelada”, ele é que não tinha que querer tirar proveito. Onde já se viu, não existe respeito por uma mulher que é profissional?! O pior é que estamos em plena campanha contra a violência com mulheres. Será que isso não é violência? Será que eu não sou mulher??? Cara eu tive vontade de meter a mão na cara daquela criatura. Mas respirei fundo, contei até dez, mas a cara devia estar péssima.
Realmente tenho que concordar que uma criatura destas não pode ser considerada homem, apenas um macho, mal acabado, da espécie humana. Como é que ainda não entenderam que mulher não quer ser tratada como objeto? Todas as conquistas caem por terra quando um sujeito destes faz coisas assim. E olha que ele não relou a mão em mim! Pelo menos não literalmente. Sabe aqueles atilhos de amarrar dinheiro? Pois é, um cara entra no teu escritório com aquilo na mão e fica estalando o atilho no teu braço. Tirando que aquela borrachinha dói, é uma intimidade que eu não dei a ele. Se ele fosse meu irmão, meu primo, um amigo antigo eu até entenderia, mas um cara que vi só no meu ambiente de trabalho por pouquíssimas vezes. Tava querendo levar uma bifa!
Mas isso foi bom para eu refletir sobre minha condição de mulher. E taí uma coisa que nunca desconsiderei. Nunca pensei, apesar de já ter ouvido um “Oh! Gostosa!” passando numa obra ou do caminhão de lixeiros, de já ter sofrido de passada de mão, de ter ouvido uma vez de um chefe que eu tinha subido a serra porque era de Pelotas e aqui só tinha veado (coisa que teve resposta na hora, afinal eu fui para lá trabalhar não arranjar marido, onde já se viu!). Apesar de todas estas coisas eu gosto de ser mulher e não pretendo vir homem na próxima encarnação (se existir).
Quero sim é ser respeitada, e é agora, nesta encarnação, nada de deixar para a próxima.
Agora faço um apelo para os homens que passam por aqui, sei que vocês são pessoas especiais, diferentemente do ogro de quem falo aqui, mas vejam se vocês conseguem incutir na cabeça destes outros seres machos da nossa espécie do tipo: mulher gosta de carinho, de elogios, de ouvir gostosa no pé do ouvido e não no meio da rua, de receber flores, de proteção, mas não de impedimentos do tipo eu sou o provedor da casa, te protejo e tu costura as minhas meias e não emite opiniões, de flertes sutis nada de chegar agarrando, deixa esse negócio de chegar chegando sem dizer palavra para os bichos que não falam!, respeito. Por favor, tratem as mulheres bem todos os dias do ano e na apenas no 8 de março ou no dia das mães! Mulher gosta de jeito de mau, mas isso não quer dizer que o cara tem que ser: mau, cafajeste, podre, escroto. É uma fantasia, assim como os homens gostam de colegiais, gueixas, enfermeiras. Nada de ficar andando na rua coçando o saco e metendo dedo no nariz, isso é nojento e não sedutor.
Pode dizer poesias sim, isso é ótimo, pode falar da lua, beijar na testa e abraçar forte. Para conquistar uma mulher não precisa muito, basta observar do que ela gosta, o que ela busca. Apesar de alguns acharem que somos complicadíssimas as resposta estão em nós mesmas basta olhar mais de perto.
Então o apelo ta feito. Ah! E mamães de meninos eduquem com carinho e sem machismo, isso só estraga o produto final. Amar incondicionalmente não é fechar os olhos para o que ta errado, mas justamente o contrário, é corrigir para fazer do menininho um homem de caráter, de bem (agora fiquei parecendo minha avó). Mas acho que as meninas concordam comigo viva o homem sensível, abaixo ao cafajeste!

7 Comments:

Blogger Ana Paula said...

não tem nojo meu que expresse o que eu acho de ... NOJO disso.

4:22 PM  
Anonymous Pablo said...

¡Putz!

Manda se fuder!

Isso me revolta, já vi minha mãe perder trabalho (freelas) por não aceitar TRANZAR com o filho do cara que a estava contratando, porque os dois acharam ela bonita! Vai a merda! Já a vi perder ótimos empregos por não querer fazer o teste do sofá! Isso é humilhante! Revoltante!

¡Argh!

Mas sabe o que é pior, acontece do outro lado também. Mulheres assediam homens!

De parte a parte considero isso desespero, ausência de moral, de educação! PQP!

Abraço e fique bem!

5:11 PM  
Blogger Lys said...

É, Léli, parece que a gente vai ter que engolir essas coisas por muito tempo ainda. Eu sou um tipo muito, muito não-me-toque e ainda assim tem uns manés que ousam me chamar com diminutivos como se tivessem grande intimidade comigo. Há também quem não entenda se eu fico brava ao receber galanteios (geralmente de mau gosto) de homens casados. Parece que existe uma regra de sorrir e ser graciosa nessas situações; quem age diferente disso é esquisitona. Eu prefiro ser esquisitona.

7:09 AM  
Blogger Léli said...

Anucha, eu sei qual é o grau de nojo em relação a isso. Blergh!

Pablo, valeu! Eu sabia que estava certa em relação ao público masculino dO Diafragma.

Ah! Meu irmão tem uma expressão que ele usa quando tá bravo que é: "Vai chupa o cu do passarinho!" Equivale ao mandar ir se fudê! Com acento pra descarregar bem a raiva.

Lys, infelismente é verdade. Detesto ter que pensar nisso e também prefiro ser esquisitona, aliás pra esses machinhos que não entendem nada de mulheres, uma mulher que prefere respeito é justamente taxada de: esquisitona, mau amada, frigida, "sapato", tem falta de homem ou tem medo e coisas desse tipo que não tem nada a ver. Qualquer uma destas variações são colocadas por eles para humilhar as mulheres. E isso me dá mais nojo Porque erram duas vezes primeiro por desrespeitar as opções da mulher e segundo por considerar que a mulher que se respeita e gosta de ser respeitada não é normal, mas eles escolhem as samaritanas para casar, não as atiradas. Vai entender, né?!
Beijos queridos e desculpem o desabafo.

11:20 AM  
Blogger Carolzinha said...

Assino embaixo. Amém!

1:22 PM  
Anonymous Rogger said...

Adorei o post, e nao achei que foi feminista! Soube usar as palavras corretas pra expressar esse "abuso masculino".

Eu como homem, acho um pouco vulgar cumprimentar uma mulher na rua como " Ohn, gostosa". Se ao menos eu conhecesse, ou melhor, mesmo assim, poderia ser minha prima, amiga, sei la! Acho falta de respeito.

Valeu pelo post , tenho certeza que muitos leitores irão se refletir! Isso se ler, não for coisa pra mulherzinha.

Abraço

Rogger Rodrigues

6:10 AM  
Anonymous joseluis said...

acho que esse blog tá muito feminista
hehehe

11:32 AM  

Postar um comentário

<< Home