07 fevereiro 2006

Lição de Moda

Me constrange o fato de escrever tão pouco aqui. Eu penso, penso e não me vem nada que seja de interesse para alguém mais além do meu próprio umbigo. Aparentemente só sirvo mesmo para escrever textinhos do tipo "Querido Diário".

Há algum um tempo, tenho esse post na cabeça. Não escrevi antes porque precisava de um desenho ilustrativo, que pedi à nossa talentosa Ione e ela jamais fez. (Sim, Ione, revelo agora toda a sua perfídia. Hehehe). Então, vamos sem desenho mesmo.

O assunto é moda. Por menos vaidosa que seja, qualquer mulher tem algo a dizer sobre isso, certo? Então tá, não é só o meu umbigo que pode querer ler este post.

Em setembro último, fui convidada para um almoço for women only numa instituição respeitadíssima no Estado do Rio de Janeiro, coisa muito fina. Durante a comilança, G.K.* fez palestra. Já ouviram falar de elegância de comportamento? Pois é o nome da moça. Voz agradável, delicadíssima com os interlocutores, inteligente, papo interessante e, acreditem, nada afetada. Já as roupas... Quer dizer, o problema não eram as roupas mas a combinação roupas-acessórios: calça cinza e spencer de tweed; sobre o spencer (de tweed!), nada mais nada menos que um cinto com estampa de oncinha e, como toque final, um colar enorme que deve ter sido adquirido em alguma incursão ao Alto Xingu.

Pena que não tem foto ou desenho da Ione aqui, porque a visualização do efeito é muito necessária. No fim das contas, acho que dava para classificar o estilo como clássico-urbano-étnico. Eu não usava nem amarrada. Mas eu não entendo nada de moda.


* Não boto o nome da célebre consultora de moda porque não quero que ela me ache no Google e fique brava comigo, afinal eu gostei muito dela, mesmo, apesar de nossos gostos não combinarem nadinha. ;)

5 Comments:

Blogger Carolzinha said...

Moda pra mim??? O que tem de novo na vitrine... mas eu não uso. Não sigo à risca... aliás, demora pra me habituar com algo muito novo.
Lmebra das calças bailarinas??? Demorei meses pra alguém conseguir me enfiar em um... e depois foi paixão a primeira usada... rsssss
Moda pra mim é o que eu uso... e fim de papo.

3:21 PM  
Blogger Thata said...

moda é um troço muito pessoal mesmo, né? mas, olha, pra mim, a GK é o tipo da pessoa que pode usar oq quiser, afinal, ela está na elite que diz o que é a moda naquele momento. E ah! tem a diferença entre moda e estilo, né? puts, acho q vou fazer um post pra seguir o tema! hehehe...

9:17 AM  
Blogger carole said...

esses tempos vi uma reportagem num jornal local com uma personal stylist e fiquei apavorada.. a mulher estava com uma roupa horrorosa.
mas dizem q em casa de ferreiro o espeto é de pau né?
beijos!

3:35 PM  
Blogger Léli said...

Não levo muito a sério não esse negócio de moda e só uso o que gosto e cai bem, ah! e que é confortável, nada de colocar um vestido e ficar a festa inteira sem respirar para a costura não arrebentar. Além disso, gosto de animais, mas acho que não existe coisa mais cafona que estampas de oncinha, tigrinha, zebrinha etc. Em algumas coisas cai bem como caixas, por exemplo, mas cintos, calcinhas, nhá, não mesmo!
E a coisa é bem como disse a Thata, como são elas que ditam a moda podem usar coisas que em qualquer uma de nós mortais seria no mínimo out.

Beijos

12:02 PM  
Blogger Lys said...

Carolzinha, também me guio pelas vitrines mas sem me escravizar. Não é só porque está na moda que vou usar roupas que eu acho ridículas ou que não me ficam bem. Outra coisa que eu detesto é sair usando a mesma coisa que 99,9% das mulheres estão usando.

Thata, GK é chiquérrima, não há dúvida, e pode tudo. Isso não quer dizer que eu tenha que gostar de tudo o que ela veste. ;) Escreva sobre o mesmo tema, sim, eu gosto quando os textos aqui começam a gerar outros com pontos de vista diferentes.

Carole, eu acho que esse povo fashion gosta mesmo é de aparecer. Você já viu as roupas pavorosas que a Carolina Ferraz está usando na novela "Chatíssima" ;)? A personagem é ligada ao mundo da moda e de modelos, então é o suficiente para os responsáveis pelos figurinos exagerarem sem culpa. Isso sem falar naquelas roupas de passarela. Cruzes!

Léli, como simples mortal, me reservo o direito de não ser nada ousada. De roupinhas arrumadinhas até as despojadas (largada, mesmo, né?), vou sempre no básico, não ouso nunca.

12:34 PM  

Postar um comentário

<< Home