18 dezembro 2006

Natal

O Natal não é minha data/comemoração preferida do ano. Eu penso que tem o sentido religioso do nascimento do Cristo, aquele cara especial que nasceu para purgar os pecados do mundo, que era cabiludo, barbudo, totalmente da paz e que sofreu os maiores horrores e torturas possíveis para mostrar aos homens que sempre se pode perdoar e dar a outra face. Eu assisti milhares de filmes sobre a vida de Jesus Cristo na sessão da tarde. Eu assisti até Jesus Cristo Super Star, e em nenhum deles vi o Cristo sofrer de verdade. Isso até o filme do Mel Gibson, falado em aramaico e com cenas muito fortes. Quando vi este filme no cinema senti que não tinha sido bom para Jesus tudo aquilo. Percebi que ele não tinha aceitado tudo desde o início como algo que é irreversível. Foi o Jesus Cristo mais gente, mas próximo dos seres humanos que já vi. Ele não havia sublimado, mesmo sendo sublime. Houve dor, sangue, tristeza, lágrimas e muito sofrimento.
Daí claro, como é Natal fico pensando nas lições de paz e amor, de respeito pelo próximo e pela natureza que o cara nos deixou caminhando pelo mundo e pregando o amor incondicional. O amar sem pedir nada em troca. Só que andando pelas ruas do calçadão vejo muitos anúncios de promoções para o Natal. Vejo como a data virou comercial e as pessoas não conseguem entender quando tu diz que não vai dar presente para ninguém porque ou não tem dinheiro ou quer curtir a data dando o verdadeiro valor espiritual da coisa. É como se tu fosses um ser extraterrestre muito do canguinha!!!
Mas e o amor? O amor tem que estar materializado num presente qualquer?
Mas não é por isso que eu não gosto muito (um pouco eu gosto, porque a família se reúne, come bem, conversa, confraterniza –com ou sem presente). Não gosto muito porque acho uma data triste, apesar de ser o nascimento de Jesus, prefiro a Páscoa ou o ano novo. Mesmo que no último dia do ano eu sempre chore lembrando das coisas difíceis que passei e da saudade das pessoas que estão longe.
Final de ano é assim. Algumas pessoas ficam deprimidas, outras ficam extremamente felizes porque é o ritual de passagem do tempo, de futuro, de um ano que vem cheio de esperanças, e isso começa no natal. Então este ano eu resolvi não me deprimir no natal, na véspera já tá tudo combinado, vou para fora e durante o dia vou tomar banho de arroio com os meus sobrinhos (se o tempo estiver bom, é claro), depois vou jantar em família e agradecer ao universo, a Deus por tudo e por todas as pessoas que ele me deu. No dia 25, almoço na casa da minha avó, toda a família reunida, uma festa, comilanças e beberagens até não mais poder. A essa altura minha dieta foi para o espaço, mas tudo bem, é Natal!
Desejo para todos um feliz natal com muita paz, amor, saúde, felicidade. Que no próximo ano tudo seja melhor, que as esperanças se renovem e os sonhos se realizem.
Um beijão a todos.